domingo, 17 de dezembro de 2017

Votos para 2018


  1. Ter saúde está obrigatoriamente no topo desta lista! Sem saúde tudo o resto se complica.
  2. Ter trabalho: é fundamental! Seria difícil vivermos bem sem trabalho. 
  3. Ter amigos: essenciais no nosso dia-a-dia. Muitas vezes são eles que nos ajudam nas maiores dificuldades.
  4. Viver em harmonia com a natureza.
  5. Amar e ser amada. Que seria de nós sem amor?
Que 2018 seja um ano sem guerras, sem catástrofes, sem doenças. Sei que são desejos muito ambiciosos, mas não custa acreditar.

Que venha 2018!


sábado, 16 de dezembro de 2017

Em jeito de balanço

Ainda não chegou ao fim, mas nesta altura gosto de fazer um balanço do ano que passou.
2017 foi um ano muito negro, não em termos pessoais, felizmente, mas foi um ano muito mau para o País, para o Mundo em geral.
Muitas mortes, catástrofes, epidemias, enfim um sem número de coisas desagradáveis.
Pessoalmente tenho a agradecer, pois não fui afetada diretamente por nenhuma destas catástrofes. Ainda assim, não consigo ficar indiferente ao facto de muitas pessoas terem perdido a vida e outras terem perdido as suas casas. Erros humanos? Talvez sim... ou talvez não...
Foi sem sombra de dúvida um ano muito difícil e que não deverá ficar esquecido.
Que este ano tão negro tenha servido para alertar as pessoas e que as tenha feito refletir na vida e que as faça mudar certos comportamentos.
A vida é tão curta! Para quê entrar em guerras uns com os outros?
Viver em harmonia sempre foi o meu lema e vai continuar a ser, agora mais do que nunca!
Que 2018 seja um ano melhor para todos!
Que saibamos respeitar e percebamos que não somos nós que mandamos no Mundo mas que podemos contribuir para um Mundo melhor com os nossos comportamentos, com as nossas atitudes.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Home sweet home... muito mais que um lugar para dormir

Como é bom ter uma casa!
Na minha humilde casinha



Por mais simples que ela seja, a nossa casa é sempre a nossa casa. É o lugar onde nos sentimos sempre melhor, o lugar onde cada canto tem um pouco de nós. A nossa casa é o reflexo da nossa história de vida.
Podemos viver nela momentos bons e outros menos bons, mas até nestes momentos, a nossa casa é a nossa conselheira. É aqui que nós ganhamos a energia para enfrentar o mundo lá fora.
Três dias em casa, sem horários e em família foi o melhor programa que podia ter escolhido para este fim de semana prolongado.
Longe de Centros Comerciais e resguardada do mau tempo... lareira acesa e a família reunida e partilhando as mais diversas atividades. Até o gato se associou a este programa. Não arredou pé do seu mantinho junto à lareira.
Uma viagem virtual até Grantham (Reino Unido)
E de longe se fez perto graças às novas tecnologias e conseguimos ver nevar em direto a muitas milhas de distância. Fantástico!
E é assim na maioria dos lares portugueses (eu quero acreditar que assim é...)
De repente lembrei-me dos ciganos  que, nos últimos dias, têm permanecido, de dia e de noite, junto ao Retail Park, em Taveiro. São pessoas com vidas muito diferentes da minha, mas tenho a certeza que serão muito felizes à maneira deles. Aquelas carrinhas e as fogueiras que mantêm acesas para se aquecerem e para cozinharem fazem parte da história da vida deles.
Outras vidas, outras formas de pensar mas o mais importante é o amor que os une. E acredito que há muito amor naquelas famílias. Não é por acaso que as crianças que nascem nessas famílias (quase sempre em grande número) depressa se habituam a esta forma de vida e crescem fortes e saudáveis.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Aprender a desligar...

Parece fácil, mas não é!
Aprender a «desligar» é muito importante para mantermos o equilíbrio pessoal e profissional.
Devemos desligar do que não nos faz bem.
Devemos desligar dos problemas dos outros.

Precisamos de desligar de vez em quando para não enlouquecer...

domingo, 3 de dezembro de 2017

Rever a matéria dada!

Quando sentimos necessidade de rever a matéria dada é porque estamos com algumas dificuldades e porque precisamos de encontrar soluções ou, pelos menos, porque precisamos de ajuda para resolver certos problemas.
Hoje foi dia de dar início à reciclagem  dos conhecimentos aprendidos há anos e postos em prática com sucesso mas que, não sei bem porquê, foram arrumados na gaveta e completamente postos de lado nos últimos meses.
Claro que o resultado desse desleixo só podia ter sido desastroso. Aos poucos e poucos, fui transformando o meu dia-a-dia num serviço de urgências, num centro de atendimento 24 horas, praticando a multitarefa, com total descuramento do meu bem estar interior e físico.
Tentei várias vezes recomeçar, mas depressa tudo foi esquecido e o "outro" ficou sempre em primeiro lugar. O "eu" raramente foi colocado em evidência.
Para que a situação não se agravasse ainda mais, foi mesmo necessário rever a matéria dada. E penso que já está a resultar.

Boa semana!

sábado, 2 de dezembro de 2017

Ementa da semana




A ementa  da semana pretende ser saudável e saborosa.

SEGUNDA-FEIRA:
ALMOÇO - Salada russa com atum e ovo cozido;
JANTAR - Lombinho de porco grelhado com legumes salteados.

TERÇA-FEIRA:
ALMOÇO - Legumes salteados com salsicha de aves;
JANTAR - Peitos de frango com legumes assados no forno.

QUARTA-FEIRA:
ALMOÇO - Lombos de pescada no forno com puré de bróculos;
JANTAR - Strogonoff.

QUINTA-FEIRA:
ALMOÇO - Lasanha de courgete;
JANTAR - Frango assado com salada.

SEXTA-FEIRA:
ALMOÇO - Costeletas de porco com batata doce e salada mista;
JANTAR - Bacalhau com natas.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Finalmente estou comigo!

Que grande correria que foi o último mês!
Que grande ginástica que foi conciliar trabalho, casa, família, lazer!
Não foi nada fácil, aliás, houve dias em que não foi mesmo possível conciliar nada! E de quem foi a culpa? Minha, principalmente minha! Não fui capaz de dizer não a praticamente nada. Não fui capaz de pensar primeiro em mim e só depois nos outros. Fiz tudo mal. 
Num mês, fui apenas um dia ao ginásio, fiz mais refeições fora de casa do que em casa, não preparei as minhas refeições previamente, passei muito menos tempo com a família e, sobretudo, não cuidei de mim, não consegui estar comigo. Tudo isso porque não consegui gerir o tempo, tendo dado muito mais aos outros que a mim.
Hoje é feriado e, felizmente, estou em casa.
Estou em casa e decidi estar comigo, com os meus pensamentos, no aconchego do meu lar.
Podia ter aproveitado o dia para sair, passear e distrair-me, dizem vocês. Pois podia, mas aqui em casa eu consigo estar comigo. E sabe tão bem! E, além disso, eu não preciso de me distrair, eu preciso de me concentrar em mim, naquilo que me faz bem e, principalmente, decidi aproveitar o tempo para me organizar.
Claro que o trabalho é muito importante, claro que preciso dele para adquirir alguns bens essenciais, mas a minha vida não depende exclusivamente do trabalho. A minha vida depende do meu bem estar interior, do meu bem estar físico e, sobretudo, do tempo que dedico a mim própria.
Hoje consegui, finalmente, sentar-me para escrever sobre o que me vai na alma e, acreditem, está a ser uma forma excelente de passar o dia.
Decidi não olhar o relógio hoje. A minha prioridade sou eu.
Decidi não pensar nos outros, muito menos colocá-los antes de mim.
Podia ter aproveitado o feriado para adiantar as compras habituais do fim de semana, mas decidi não o fazer. Amanhã também é dia. Hoje o dia é para mim, para estar comigo.
Não liguei a televisão, evitei ver notícias para não me perturbar (infelizmente nos últimos dias as notícias têm sido devastadoras).
Não me isolei do mundo, mas quase. Tentei estar apenas com o que me faz bem: a minha família, no aconchego do meu lar.
Consegui ler, escrever, meditar, estar com a família, tudo isto no mesmo dia. Fantástico!


domingo, 15 de outubro de 2017

Reflexão do dia

É agradável, sem dúvida, mas não deixa de ser assustador.
Vinte e oito graus às nove da manhã? Máximas de trinta e seis graus?
Seria perfeitamente normal e fantástico se estivéssemos no mês de julho ou de agosto. Agora em outubro, em pleno outono? Não, não é mesmo normal.
Todas estas alterações, climáticas, incêndios e não só, nos levam a refletir e nos colocam numa posição de alerta máximo.
Devemos estar atentos ao que está por vir. E não me parece que seja coisa boa... a seca já se faz sentir em algumas zonas do País, e isso é apenas um exemplo.
Gosto muito de sol, de bom tempo, de calor, mas não consigo encarar da mesma maneira um (ou vários) dias  de outono com temperaturas iguais ou mesmo superiores a um dia de verão.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

E se eu olhar para trás?


De vez em quando apetece-me reler algumas das minhas publicações no blogue, mas normalmente faço-o por tema. 
Mas hoje fiquei com vontade de recordar o que escrevi no mesmo dia e no mesmo mês desde que criei este blogue, em 2011.
E posso-vos dizer que fiquei surpreendida comigo mesma. Não só por verificar que continuo fiel aos meus princípios como, e sobretudo, pela paz que eu consigo transmitir a mim mesma. E não, não sou egoísta, mas gosto muito de mim e de ser como sou.
Partilho convosco os textos que escrevi nos dias 14 ou 15 de setembro, de 2011 até hoje.

Já programou o seu fim de semana? (2011)

Balanço da semana (2012)

Na tranquilidade do meu lar (2013)

É domingo, mas... (2014)

Bom dia! (2015)

Mãe galinha com muito orgulho! (2016)

Ai o mês de setembro... (2017)

Se leram e gostaram, obrigada. Se não gostaram, obrigada na mesma por terem lido!

Bom fim de semana!

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Ai o mês de setembro...

O mês de setembro este ano está a ser muito mais intenso do que em anos anteriores, não sei bem porquê (ou até saiba...)
É o retomar a rotina, que se pretende gradual, mas que nem sempre se consegue, porque não depende apenas de nós.
São os horários desfasados e desencontrados da família, os múltiplos afazeres domésticos e no trabalho, com alguns imprevistos, que nos consomem a paciência e que nos desgastam física e mentalmente.
É o calor que teima em ficar por cá... (Gosto muito de sol, mas calor só gosto mesmo na praia e quando estou de férias...).
Não está a ser fácil este mês de setembro e ainda só estamos a meio do mês.
Vamos ver como corre a segunda quinzena.
Peço a Deus um pouco mais de energia e muita paciência.


domingo, 10 de setembro de 2017

Ementa da Semana - Só jantares

Como disse há dias, depois de férias convém entrarmos devagar na rotina para dar tempo ao nosso corpo para se habituar.
Assim, após  mais de um mês sem fazer previamente a programação das refeições, eis que retomo a planificação da ementa da semana. E não, não vou cair no erro de fazer a ementa desta semana também para os almoços, uma vez que será difícil fazer esta refeição em casa ou no trabalho. Como tenho vários assuntos para tratar na hora do almoço, essa refeição vai ser tomada onde for oportuno.

Assim, para os jantares pensei no seguinte:

Segunda-feira: Lombinho de porco grelhado com legumes cozidos e salada de alface e tomate.
Terça-feira: Salmão grelhado com  legumes salteados.
Quarta-feira: Rolinhos de Couve com Salsichas de aves.
Quinta-feira: Febras de porco com arroz de couve-flor e salada mista.
Sexta-feira: Frango assado com legumes assados no forno.
Sábado: Dia da Vindima (almoço a pensar ainda).

Bom apetite e boa semana!

terça-feira, 5 de setembro de 2017

É tempo de recomeçar!

A vida é feita de recomeços...e todos os dias temos a oportunidade de começar de novo.
Desleixou-se nas férias? Não fez a melhor alimentação? Não fez exercício? A sua casa entrou num caos com o pessoal todo em casa? Não se preocupe.
Recomece aos poucos a sua rotina, sem stress, e verá que, em pouco tempo, tudo volta ao normal. 
Evite uma mudança repentina. Vá fazendo as coisas com calma.
As férias terminaram, é uma realidade, mas não devemos andar numa correria o tempo todo para por tudo em ordem em pouco tempo.
Comece por organizar a sua semana, dedicando um pouco do seu tempo a fazer um plano semanal (de refeições, de tarefas, de compras a fazer, de atividades de lazer, etc.) Se possível, envolva a família nessa tarefa. Depois de feito, coloque-o num local visível a todos.
Deverá haver o cuidado de estipular horas certas para fazer as coisas, para não cair no desleixo de novo.
Não se esqueça de cuidar da sua imagem e da sua saúde e, portanto, a alimentação é muito importante bem como o exercício físico.
Recomece hoje ou amanhã. Nunca é tarde...



terça-feira, 8 de agosto de 2017

Minimalismo

Minimalismo é mais que um estilo de vida ou uma questão estética.
Conseguir ser minimalista exije que consigamos livrar-nos dos excessos e ficar apenas com o que nos faz bem, o que nos dá prazer. A nossa felicidade deve ser prioritária.
Por isso, se simplificarmos a nossa vida, tendo menos objetos em casa, teremos com certeza mais tempo livre para o que nos dá mais prazer. Não perdemos muito tempo a arrumá-los e a cuidar deles, porque são poucos, e ainda podemos admirá-los porque são apenas os que nós mais gostamos e que nos são necessários.
Isto aplica-se a tudo na vida.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Da alimentação "sem" hidratos


Muito se tem falado em dietas boas e dietas más que ajudam a perder peso, sobretudo nesta fase do ano  em que, sobretudo as mulheres, procuram atingir o corpo perfeito.

Fala-se de dietas relâmpago, dieta do biquini, dieta da sopa, dieta dos 3 dias, sei lá, um sem fim de estratégias para emagrecer. Quase todas um pouco desequilibradas. Na maioria dos casos, com este tipo de dietas, algumas pessoas conseguem emagrecer mas poucas conseguem manter essa alimentação por muito tempo.

Na minha opinião, a melhor dieta para perder peso de forma eficaz e duradoira é a dieta "sem" hidratos.  Isto é, é uma alimentação balanceada, no entanto, muito pobre em hidratos de carbono. Claro está que, mesmo esta alimentação tem de ser muito vigiada e cada caso é um caso.

Não só é pobre em hidratos de carbono como em açucares. Ainda assim, não é totalmente restritiva. De vez em quando é permitido comer um doce e mesmo comer um pouco mais em excesso. A nossa mente tem de estar também ela equilibrada e, portanto, se estivermos a fazer uma alimentação muito restritiva, vamos sentir-nos muito tensos, tristes e apagados. E isso é um desastre para quem está a meio de uma dieta.

Pessoalmente não gosto de chamar de "dieta" este tipo de alimentação "sem" hidratos, uma vez que é uma forma de alimentação que pode ser praticada toda a vida. E, se a pessoa passar a fazer este tipo de alimentação toda a vida, já não quer outra e "esquece-se" que começou a comer assim para perder peso. A verdade é que vai perdendo.






Sugestões de pratos sem hidratos de carbono:

Arroz de couve-flor
Esparregado de feijão-verde
Salada de polvo
Arroz (de couve-flor) de pato
Bacalhau espiritual (com alho francês, em vez de pão)
Lasanha de carne (com tiras de courgete)
Esparguete (courgete cortado em espiral) à bolonhesa
Frango assado com legumes
Empadas de bacalhau

Bom apetite!

Organizar a casa de forma simples

Muitas vezes pensamos que organizar a casa implica um sistema complexo, ordenado, difícil de manter.
Pois é, existem de facto sistemas de organização tão complexos que desmotivam qualquer pessoa. Começamos muito bem, mas depois manter esse sistema é complicado porque não é tão simples assim.
Na minha opinião, para conseguirmos levar a cabo um sistema de organização, ele deve ser o mais simples possível.

Seja no guarda-roupa, seja na cozinha, na despensa, e até mesmo no escritório, o melhor é ter poucos objetos e apenas os essenciais. Manter cada coisa no seu lugar, de forma visível é o segredo.
Assim, ao abrirmos a porta do armário da roupa visualizamos logo o que queremos, sem ser necessário andar à procura aqui e e ali, nesta ou naquela gaveta.
Na cozinha, a mesma coisa.
Sistemas simples, poupam tempo e dinheiro. Ter apenas o essencial é fundamental.
Gastar dinheiro em caixas de organização também não é a melhor opção. São caras, ocupam espaço e, muitas vezes, colocamos lá objetos que nunca mais usamos porque estão escondidos.Verdade ou mentira?
Antes de comprarmos um objeto devemos perguntar: Preciso disto? Tenho espaço para ele? Se não tenho espaço, então tenho de me desfazer de algo que já não precise.
São apenas sugestões, Mas acreditem, comigo tem funcionado!





quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Como aproveitar as férias em casa

Se está de férias e ainda não saiu de casa, não desespere.
Há imensas coisas que podemos fazer em casa durante as férias. E não, não me estou a referir a lavar, passar a ferro, cozinhar, etc.... Isso fazemos todo o ano.
Em casa, durante as férias, podemos mudar a nossa rotina e aproveitar ao máximo o tempo livre que nos é oferecido uma vez por ano.
Podemos ler, ver as tais séries que queríamos ver mas não conseguíamos por falta de tempo, almoçar com as amigas ou com a família, fazer um almoço especial a dois, relaxar depois do almoço, e até quem sabe, aproveitar para dormir uma sestinha em boa companhia, namorar... 
Tanta coisa que se pode fazer em casa durante as férias! 
Enquanto não se pode ir para a praia ou enquanto se aguarda por uma viagem de férias com data marcada, são estas as sugestões que, na minha opinião podem igualmente fazer qualquer pessoa feliz. Falo por mim, que aguardo pela tal viagem mas nem por isso deixo de aproveitar ao máximo o tempo livre em casa. Férias são férias e há que aproveitar!
Boas férias, em casa, na praia, no campo ou onde quer que seja.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Do consumismo ao minimalismo

Imagem relacionada
Nunca fui uma pessoa muito consumista, até porque fui educada  desde bem nova a poupar.
Aos meus pais devo essa educação, essas boas práticas, embora eu hoje os critique em parte porque se privaram de certas coisas, não por falta de dinheiro (Graças a Deus!),  mas porque sempre acharam que podiam viver bem com pouco. Na minha opinião, acho que poderiam ter vivido ainda melhor, poderiam ter viajado mais, conhecido outros países, outras culturas, mas nunca quiseram. Agora, infelizmente, a idade e a saúde já não lhes permite essas aventuras.
A verdade é que têm sido felizes, há mais de 50 anos casados, levando uma vida simples, sem passar dificuldades, é verdade, apenas com os bens materiais essenciais. Nada de comprar por comprar! Só se compra o que é preciso, dizem! Sempre assim foi e nada os mudará.
A sociedade de hoje  tem hábitos cada vez mais consumistas e o valor que dá aos bens materiais é cada vez menor.
A oferta atualmente é enorme comparativamente à de há 20 ou 30 anos atrás. Ainda me lembro da dificuldade que tive, quando fui viver para a minha casa, há cerca de 30 anos, em comprar certos objetos para a cozinha, roupa de cama, artigos de decoração, etc. Havia tão pouca oferta! Cheguei a ir à Feira de Espinho comprar certos objetos, porque era mais barato e, em Coimbra, havia mas era muito mais caro.
Outros tempos mesmo!
Hoje, a oferta é imensa, o preço é muito baixo e a qualidade também baixou, como é óbvio!
Infelizmente, a sociedade não soube gerir essa oferta e passou a comprar, comprar, mesmo sem necessidade. Compra porque é bonito e barato, não porque precise.
Há uns anos atrás, comecei a sentir que estava a ficar contagiada por esse consumismo e passei a fazer compras muito mais conscientes. Além disso, passei a ter práticas muito mais minimalistas.
A verdade é que, hoje consigo entrar numa loja e sair sem comprar nada. Só compro o que realmente necessito.
Passei de consumista a minimalista e tenho muito orgulho nisso.
A sensação ao chegar a casa sem compras é fantástica. E melhor ainda, não gastei dinheiro nem tenho a preocupação de arranjar um espaço extra para nada.
Foi das minhas melhores mudanças nos últimos tempos que, espero, venha a influenciar as minhas filhas, evitando que caiam nas armadilhas do consumismo.





segunda-feira, 31 de julho de 2017

Cuidar do corpo e da mente nas férias!

A maioria de nós passa o ano a correr de um lado para o outro, a cuidar dos filhos, dos pais, do trabalho, da casa e esquecemo-nos de nós.
Nós ficamos sempre em último lugar. Não vos acontece isso?
Pois, a mim acontece, se bem que ultimamente já comecei a pensar muito mais em mim, na minha saúde e no meu bem-estar.
A desculpa na maior parte das vezes é a falta de tempo. Mas se somos nós que fazemos a gestão do nosso tempo por que não colocamos na agenda, por exemplo, "ir ao médico", "ir ao ginásio" no topo da lista?
Sempre os outros, há sempre algo ou alguém que nós achamos que está primeiro. Mas é falso! Nós estamos primeiro! Porque se não cuidarmos de nós, ninguém se vai preocupar e nós vamos passar a andar mal, até chegar ao ponto de não conseguirmos sequer cuidar dos outros.
Por isso, o conselho que dou a quem passa o ano a descurar a saúde, física e mental, é que dediquem um pouco do vosso tempo de férias ao vosso corpo e à vossa mente. Como, perguntam-me vocês? 
Bem, ir ao médico é uma opção. Fazer umas análises, por exemplo.
Fazer uma alimentação saudável, rica em produtos naturais (legumes, frutas, sumos de fruta, peixe e carnes grelhadas, ...).
Fazer exercício (não é preciso ir para um ginásio..., mas pode fazer caminhadas na areia, isto no caso de estar na praia).
Se tem peso a mais, tente perder algum peso nesse período. Atenção, para emagrecer não é preciso passar fome. É preciso comer saudável, na medida certa.
Não durma até muito tarde (isso provoca dor de cabeça). O melhor mesmo é manter uma rotina de levantar cedo, nem que tenha de dormir um pouco depois do almoço, caso fique levantada até mais tarde.
Cuide da pele, do cabelo, das unhas. Cuide de si!
Se tem filhos pequenos dedique-lhes a atenção que eles merecem e que durante o ano não conseguiu dar-lhes porque esteve a trabalhar.
Brinque com os seus filhos.
Por fim, praticar a meditação, ler, fazer um retiro espiritual, ouvir música, fazer amor, são também excelentes opções para cuidar do corpo e da mente.
Boas férias!


sexta-feira, 14 de julho de 2017

Lista de tarefas para o fim de semana!

Não podemos andar sempre no passeio.

Passear é bom mas há trabalho que não se faz sozinho e, cá em casa, não há empregada.

Portanto, os planos para os próximos dois dias são mesmo não sair de casa. E mãos à obra!

Eis algumas das tarefas:

  1. Lavar a roupa e passar a ferro; 
  2. Separar alguma roupa para dar;
  3. Fazer a limpeza da casa;
  4. Cozinhar;
  5. Programar as refeições de acordo com os ingredientes que tenho em casa (não pretendo fazer grandes compras antes das férias);
  6. Relaxar, pelo menos, uma hora por dia;
  7. Ler (aproveitar a hora de mais calor);
  8. Namorar (o melhor que há para a saúde e para a alma);
  9. Estar com os meus pais um bocadinho por dia (com a idade estão cada vez mais mimados). Não custa nada e a eles faz-lhes muito bem (e a mim também!)
  10. Como tenho atualmente as minhas filhas, neta e genro no estrangeiro, não posso passar sem falar com eles através do Skype (rotina diária imprescindível);
  11. Ouvir música! (sempre, em todas as ocasiões).

Bom fim de semana!!!

Estou de volta...

Tenho estado um pouco ausente (há um mês que não escrevo!!), mas nem por isso me esqueci de vós. 
A verdade é que ultimamente o ritmo da minha vida acelerou um pouco mais e o tempo fugiu.
Pinhão, Terra de encantar
É todos os anos a mesma coisa. 
No último mês antes das férias aumenta sempre o número de coisas que temos/queremos fazer. Eu falo por mim. Parece que quero sempre encerrar um ciclo para começar outro do zero. Há sempre o ANTES e o DEPOIS das férias. Eu sou assim! 
Por essa razão, este cantinho passou para segundo plano, mas não esquecido. E por isso estou de volta.
No fim de semana passado, andei a passear. Por uma boa razão, diga-se de passagem. Não é para todos celebrar 29 anos de casamento! Foi um fim de semana excelente, a dois, num ambiente super calmo e muito lindo.
Peso da Régua, Pinhão, Armamar, e muito muito mais...





segunda-feira, 12 de junho de 2017

Viver o presente é o mais importante!

Sim, viver o presente é a coisa mais importante para simplificarmos a nossa vida. 
Para quê complicar, para quê pensar no passado? O passado já passou! E para quê pensar no tempo que ainda não chegou? Não digo que não se deva pensar no futuro, no amanhã, mas não devemos fazer disso prioridade.
O mais importante é o hoje, o aqui e agora, é viver o momento presente, consciente da vida e do que está à nossa volta. É apreciar a natureza, o convívio com a família e com os amigos. O mais importante é sentir o tempo presente, com mais ou menos intensidade, mas usufruir dos mais belos momentos.  
Isso faz maravilhas à nossa sanidade.


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Para além das palavras...

Não é preciso falar.
Há gestos que dizem tudo.
Há gestos que têm o poder de alterar muita coisa, que têm a magia da transformação.
O gesto mais importante na relação entre as pessoas é, na minha opinião, a partilha.
Partilha de tarefas.
Partilha de ideias.
Partilha de responsabilidades.
Partilha de prazer.
Partilhar é tudo e pode tudo com a maior das simplicidades.
Quem nunca se sentiu melhor depois de alguém partilhar consigo uma responsabilidade que, até aí, era só sua?
Quem nunca se sentiu melhor depois de ver partilhadas as tarefas da sua casa?
Partilhar os prazeres da vida, seja um  simples almoço em família,  seja uma caminhada matinal.
Partilhar faz bem a todos e tem o poder de dar prazer, seja de que natureza for.
Na intimidade, a partilha de afetos nem sempre passa pelas palavras. Por que não aplicar essa regra no dia a dia?
Gesto atrai gesto e, portanto, se o gesto for bom, a resposta é boa, se for mau...
Ainda há dúvidas?

Trouxe flores para o jantar!

O marido esteve fora toda a tarde, por motivos de trabalho, e como forma de compensar a mulher passou rapidamente numa florista e comprou um lindo ramo de flores.
A reação da mulher a este gesto pode ser muito diferente e pode trazer consequências também elas muito diferentes.

Resposta 1: Flores? Mas porquê flores? Não são para comer! Se trouxesses o jantar é que era uma grande ideia! Agora flores...

Resposta 2: Que lindas, adoro! Vou buscar uma jarra. Adoro-te. És sempre tão querido... Vai pondo a mesa. O jantar está quase pronto. Amo-te.Consegues sempre surpreender-me!

Perante as duas respostas possíveis, podemos adivinhar o ambiente durante e após o jantar, em cada uma das situações.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Cultivar o desapego faz bem!

Se sente que há demasiadas amarras ao passado, e que esse passado está apenas a ocupar espaço no presente, então está na hora de se desapegar dessas coisas, quer sejam bens materiais ou não.
Se não usa há mais de seis meses, então não precisa. É melhor dar outro destino a esse objeto, de preferência longe da vista.
Roupa, calçado, acessórios e até loiça, precisa de ser usada, caso contrário não faz sentido manter em casa.
Sabe aquele serviço bonitinho que lhe ofereceram no Natal? Pois... é bem bonito, mas nunca foi usado. E já passou mais de dez anos! 
Por que não foi usado? Não gosta dele? Está a guardá-lo para uma ocasião especial?? Foi oferecido pela sua mãe e então tem pena de o deitar fora? Pode ser tudo isso, mas tem de ser sincera consigo. E, se gosta desse tal serviço, use-o! Caso contrário, não ocupe espaço com ele.
Este caso foi apenas um exemplo, mas como este, existem variadíssimos casos. 
Hoje tomo café em casa em chávenas de porcelana da Vista Alegre, que eu adoro, mas que estiveram guardadas mais de vinte anos! Que tolice a minha! Hoje penso assim mas, durante anos, as guardei e tomei café em chávenas que em nada se assemelham àquelas que eu tanto adoro!... 
Nem sempre pensei dessa forma, e, durante anos, fui guardando, estimando, escondendo, na maior parte das vezes.
Durante anos, guardava religiosamente tudo o que me davam, por "respeito" à pessoa que me oferecia presentes. Hoje penso de outra forma. Não é por não guardar uma prenda que uma amiga me deu que deixo de gostar dela ou lhe estou a faltar ao respeito. Se eu não a vou usar, não vale a pena ficar com ela. Ofereço-a a outra pessoa. Já fiz isso muitas vezes e, acreditem, não fiz ninguém infeliz, pelo contrário! 
A sensação é boa, não tenham dúvida!
Praticar o desapego fez de mim uma pessoa menos consumista, mais organizada e muito mais focada no que me faz bem.



domingo, 14 de maio de 2017

Pensamento do dia

«O que somos é consequência do que pensamos». Buda

Se assim é, está na hora de eliminar todos os pensamentos negativos, nocivos para a nossa saúde.
Se assim é, vamos pensar positivo, vamos pensar com fé e, sobretudo, com motivação.
Para vos ajudar, sugiro a leitura do fantástico livro de Rute Caldeira: «Liberta-te de pensamentos tóxicos»

quarta-feira, 10 de maio de 2017

O amor

O que é o Amor?
Podemos definir o Amor?
Não! De forma nenhuma!
O Amor não se define. O Amor vive-se!
O Amor alimenta-se todos os dias.
Engane-se aquele ou aquela que ainda está à procura de um amor ideal, romântico, daqueles que apenas vemos nos filmes e nas telenovelas. Isso é ficção!
Ainda há essa ilusão e, talvez por isso, muitos pensam ter conhecido a tal pessoa, e, quando confrontados com a realidade, com o quotidiano, percebem que afinal o amor por si só não existe. O que existe é uma atração, muitas vezes física, que, se não tiver a nossa dedicação diária, se esvai em pouco tempo.
O amor real (não o idealizado!) precisa de dedicação, de aprendizagem, de escolhas.
Não há duas pessoas iguais e, como tal, temos de aprender a conhecer melhor o outro e ver o que precisamos de melhorar em nós (não transformar o outro!)
O amor real precisa de comunicação.
Comunicar significa falar mas também saber ouvir. E como é difícil ouvir o outro!Não só é difícil ouvir o outro como admitir quando se está errado.
Por isso é tão difícil definir o Amor.
Conhecer o outro é fundamental para viver esse amor.
Quando conseguimos adivinhar ou perceber as necessidades do outro sem que este nos diga nada, então é porque conhecemos bem essa pessoa. Estamos prontos/as para viver esse amor.
Quanto maior for a dedicação, a atenção e a capacidade para ouvir o outro, mais facilmente se consegue viver esse amor.
Fico triste quando vejo casais separarem-se ao fim de pouco tempo de vida em conjunto. Falhou aqui a dedicação, a aceitação, o saber ouvir. Ficou tanto por descobrir!...
Descobrir e viver o amor é das sensações mais belas da vida.
Este texto de hoje foi escrito com o coração, baseado numa realidade que a maioria dos casais vive ou viveu, e é dedicado a todas as pessoas que pensam que o amor nasce do nada. 
O amor está em nós e deve ser alimentado todos os dias por forma a fazer com que dure para sempre.
Falo também com base na minha experiência, com um casamento de quase trinta anos, com altos e baixos como é natural, mas com uma dedicação mútua diária imensa e imprescindível. 






segunda-feira, 1 de maio de 2017

Coma doces sem engordar...

Apetece-lhe um doce mas tem medo de engordar? Não tenha.
Hoje vou partilhar convosco uma das variadíssimas receitas que poderá fazer e comer quando lhe der aquela vontade de uma coisa doce.
Coma sem culpa estes queques de maçã. Não têm açúcar, mas são doces, não têm farinha, mas também não precisam, não têm ovos, mas são deliciosos.
Aqui vai a receita:
Descasque e corte às tirinhas fininhas duas maçãs.
Junte uma chávena média de flocos de aveia, um iogurte natural, 2 colheres de sopa de coco ralado e um colher de chá de canela em pó.
Misture tudo muito bem com um garfo, até amolecer os flocos de aveia.
Coloque o preparado em forminhas de silicone e leve ao forno a 180 graus, durante 20 minutos ou até ficarem douradinhos.
Os meus ficaram húmidos por causa da maçã e ao mesmo tempo crocantes.
Deliciosos!



Bem vindo, mês de maio!

É o meu mês favorito, por variadíssimas razões.
É o mês da poesia, do amor, das flores, das noivas, do coração...é o mês de Maria.
Eu nasci em maio, e essa é também uma razão para festejar.
Tudo parece perfeito no mês de maio. Aos meus olhos, claro.
Sou uma pessoa organizada, mas não sou perfeita e por vezes desleixo-me como acontece a praticamente toda a gente. Principalmente nos meses mais frios. (Não lido muito bem com temperaturas baixas). Mas no mês de maio, esse meu jeito de organizar toma novos contornos e é levado muito mais a sério e com muito mais prazer e imaginação.
Aproximam-se novidades, que eu espero sejam boas.
Que o mês de maio seja um mês de vitórias para todos.
No final do mês será feito um balanço.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Em Dia da Liberdade, seja livre!

Num mundo tão acelerado em que vivemos, esquecemos muitas vezes que precisamos de momentos de desconexão, momentos de pausa e de descanso.
Esses momentos, tão importantes para nós, devem acontecer de livre vontade e não porque temos tempo livre. Eles devem acontecer sempre que necessitarmos de paz, se possível todos os dias. Nem que sejam apenas cinco ou dez minutos.
O que fazer nesses momentos de pausa? Eles devem ser aproveitados para refletir, para olhar para o nosso interior e ver que, afinal, somos pessoas maravilhosas. Facto, que por vezes esquecemos e entramos em depressão, em baixa auto-estima, etc.
Nesses momentos de reflexão, também podemos analisar o que é que no mundo lá fora nos afeta, nos faz mal. Serão pessoas?, serão objetos? serão certas rotinas? ou será, tão simplesmente, aquele espaço cheio de tralha, daquela tralha que não precisamos nunca mais e que cada vez vai ganhando mais volume?
Pois bem, seja o que for, devemos arregaçar as mangas e por mãos à obra. E começar a destralhar. Só o facto de eliminar algo que está simplesmente a ocupar espaço, já nos dá uma sensação de alívio, de leveza. Refiro-me a objetos, mas aplica-se a tudo na vida.
Deixo a dica, hoje em Dia da Liberdade.
Tome a liberdade de deitar fora o que lhe faz mal.

domingo, 23 de abril de 2017

Singularidades de uma mulher... como eu!

Há mulheres e mulheres. Assim como há homens e homens!
Hoje vou falar-vos de um tipo de mulher, como eu, com as suas singularidades.
Sou duma geração como tantas outras mulheres, no entanto, tenho consciência que ao longo dos anos (já tenho meio século) apenas aperfeiçoei algumas coisas em relação aos meus pais. Fiz algumas (muitas) alterações,  mas mantive-me fiel ao princípio que ainda hoje defendo e pratico, ou seja, a mulher transmite amor. Amor de mãe, amor de filha, amor romântico.
Que atualizações fiz em relação ao tempo dos meus pais, perguntam vocês?
Pois bem, no tempo dos meus pais, o homem é que mandava lá em casa, era quem geria o dinheiro (a mulher nem sabia contar o dinheiro, muitas vezes!). O homem trabalhava fora e a mulher ficava em casa a cuidar dos filhos (quase sempre muitos filhos!)
Hoje não é assim. Homem e mulher trabalham fora, e ambos cuidam das finanças da casa.
No meu caso, a maior parte da gestão da casa está por minha conta. Sou, portanto, a gestora do meu lar. E também sou governanta (com muito prazer!).
Não tenho empregada, por opção. 
Apesar de ter dias em que a organização da casa deixa muito a desejar, prezo muito a minha privacidade e gosto de ser eu a arrumar as minhas coisas.
Atualmente há mulheres que lutam pela igualdade de direitos e eu também não me excluo. É claro que defendo que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos. Só não concordo é que uma mulher deixe de fazer certas coisas e espere que seja o marido a fazê-lo só porque sim.
Felizmente fui habituada a fazer de tudo um pouco desde cedo. Tinha o sonho de casar para ter as minhas coisas, a minha família, e cuidar dela tão bem (ou ainda melhor) como os meus pais o fizeram. Desde cedo aprendi a fazer a comida, a lavar a roupa, a passar a ferro e agradeço aos meus pais pela educação que me deram. Nunca tive necessidade, muito menos vaidade, de ter empregada.
Casei e tive filhos (duas filhas). Apesar de muitas vezes chegar ao fim do dia exausta, tudo o que fazia era (e ainda é!) com amor.
As filhas cresceram, o trabalho continua. Algum é necessário e urgente, outro, nem por isso e eu continuo a fazê-lo. Ainda hoje, preparei o pequeno-almoço para a filha mais nova, que já conta com 18 anos. Se me custou? Absolutamente nada, pelo contrário. Fui eu que me ofereci para o fazer.
Sou uma mulher de hoje, mas com uma educação do passado, com bons princípios.
Espero que as minhas filhas tenham absorvido bem esses princípios.




terça-feira, 28 de março de 2017

Balanço do mês de março

Não foi um mês nada normal, antes pelo contrário.
Aconteceram coisas boas, coisas muito boas, mas também aconteceram coisas menos boas.
Algumas aflições, felizmente ultrapassadas, atrapalharam o meu estado de espírito habitual.
Ainda assim, ou não fosse eu uma pessoa otimista, posso dizer que o balanço foi positivo.
Apesar dos sobressaltos, de algumas correrias e de alguma ansiedade, chego à última semana do mês com esperança no futuro, com alegria e com uma vontade cada vez maior de viver e de aproveitar cada minuto.
Viver o amor com muita intensidade, viver com a família num ambiente de paz, viver com os amigos em harmonia, ajudar quem mais precisa e viver para ser feliz e fazer feliz quem nos ama é realmente o que mais importa para mim.
Venha abril com a mesma intensidade.


sexta-feira, 24 de março de 2017

Ai sexta-feira!

Eu e as sextas-feiras temos uma relação muito especial. Não sei bem explicar a razão, só sei que neste dia eu me sinto quase sempre diferente, para melhor, claro. 
Sinto mais alegria, sinto mais confiança, sinto vontade de rir, de conversar, de trabalhar, de fazer planos.
No fundo, o que eu sinto é uma enorme vontade de viver que vai para além do habitual e, portanto,neste dia, cada minuto é sempre aproveitado para fazer algo de importante, útil e produtivo.
Mais agradável ou menos agradável, a verdade é que tudo o que é iniciado numa sexta-feira tem que ser concluído nesse dia. Nem que, para isso, se acelere mais um bocadinho.
Esta sou eu a iniciar uma sexta-feira que, embora chuvosa e muito fria, me enche de alegria!

segunda-feira, 13 de março de 2017

Momento de reflexão

«Cada dia é uma nova chance para mudar algo na sua vida!»
Todos nós temos consciência da necessidade de mudar algo na nossa vida... mas, por vezes, vamos adiando, adiando, adiando...
Nunca é tarde para mudar... Comece hoje por mudar algo! 
Pense nisso... 
Eu já pensei, e a mudança acontece todos os dias! 
Resultado: Ser feliz!


sexta-feira, 3 de março de 2017

Tempo para tudo, é possível?

Claro que sim! Desde que não se queira fazer tudo no mesmo dia, na mesma hora, no mesmo instante. O mesmo é dizer que deverá haver o máximo de organização nas tarefas que se tem para fazer, sendo de extrema importância a priorização das mesmas.
Em síntese, ser organizado ou desorganizado é uma questão de hábito.
Há pessoas que dizem que não fazem a cama de manhã porque não têm tempo ou não tomam o pequeno-almoço em casa por falta de tempo. Enfim, na minha opinião são desculpas  e demonstram uma completa desorganização.
Nos próximos dias irei partilhar convosco algumas dicas de como aproveitar o tempo e fazê-lo "esticar", de forma a conseguir-se fazer tudo o que é essencial.
Fique atento(a)!

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Bom fim-de-semana!

Chegou mais um fim-de-semana e, com ele, mais uma oportunidade de ser ainda mais feliz.
Sem horários para cumprir e podermos finalmente ser os chefes de nós próprios dá-nos uma sensação de liberdade e tranquilidade incomparável.
Falo por mim que, ao chegar a casa numa sexta-feira ao fim do dia, o estado de espírito muda completamente.
Apetece-me sempre fazer imensas coisas, fazer planos, ouvir música, cozinhar, inventar receitas, e, sobretudo, apetece-me namorar. Isto tudo para dizer que me apetece ser ainda mais feliz.
Não me vou alongar mais hoje porque quero aproveitar bem o fim-de-semana e o bom tempo e a lista de tarefas é imensa (desengane-se quem pensa que tenciono passar o fim-de-semana sem fazer nada. Isso seria muito mau sinal!).
Por cá, neste momento, ouve-se música romântica, calma, sensual... 
É esse o estado de espírito que quero manter enquanto for viva!

Desejo-vos um excelente fim-de-semana.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Quiche de frango saudável!

Ainda sobre a minha nova alimentação saudável, que decidi seguir para o resto da vida, gostaria de vos contar que tenho feito imensas descobertas, sobre comida, e sobre mim. 
Descobri que até tenho jeito para a cozinha e que adoro inventar.
E, não é que me tenho saído bem?
Partilho convosco mais um desses novos pratos.
Esta quiche de frango fez sucesso!
Além de frango desfiado, coloquei cebola, alho, espinafres, courgete e alho francês, tudo salteado em azeite. Não coloquei cogumelos porque o marido não gosta (se fosse só para mim punha, pois adoro! E apenas pus 3 ovos  batidos com meia chávena de leite. Coloquei queijo da ilha ralado por cima e levei ao forno, durante 30 minutos.
Ficou deliciosa!!! A repetir, sem dúvida.


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Branco é sempre branco!

A cor branca é talvez a cor que mais combina comigo, aquela de que gosto mais.
Na roupa de vestir, na roupa de cama, na mesa, e em geral na decoração de casa.
Adoro rosas brancas.
Quando vou comprar alguma coisa para a casa, a cor em que penso logo é no branco.
Aos poucos fui transformando a minha casa num pequeno "santuário" com tonalidade cada vez mais branca.
Móveis, louças, lençóis, toalhas, janelas, portas vão ficando cada vez mais claras.
A cor branca significa paz, pureza e limpeza. O branco é símbolo da paz e da espiritualidade. Na cultura ocidental, a cor branca está associada à alegria.
A cor branca também simboliza a virtude e o amor a Deus. É uma cor que sugere libertação, que ilumina o lado espiritual e restabelece o equilíbrio interior.
É por todas estas razões que eu acho que cada vez mais me identifico com esta cor.
Normalmente combino o branco com outra cor, como por exemplo, o amarelo, o beje, o prateado, o dourado e o vermelho, conforme os casos.
E, pronto, era isto que vos tinha para dizer hoje...




quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Balanço do mês de janeiro

Estamos ainda no início do ano, mas apeteceu-me fazer um balanço do primeiro mês. E isto porque, ao contrário da maioria dos meses, janeiro foi um mês extraordinário, francamente positivo.
Em termos pessoais (aliás, o balanço que quero fazer é apenas nesses termos), este mês registou muitos "mais" e apenas um "menos",  sendo que esse "menos" significa "tudo" para mim.
Ora bem, trocando por miúdos, neste mês o que aconteceu de tão extraordinário foi o seguinte:

  1. Passei a fazer uma alimentação diferente, muito mais saudável e mais variada;
  2. Fui ainda mais organizada nas compras e na gestão do meu tempo;
  3. Poupei mais dinheiro;
  4. Fiz mais sessões de Pilates e senti-me com mais energia durante todo o mês;
  5. Passei mais tempo com a família;
  6. Li muito mais;
  7. Estive mais focada nos objetivos durante todo o mês;
  8. Cheguei ao fim do mês com menos peso, o que é excelente, tendo em conta que tinha aumentado alguns quilos no final do ano.
E foi assim o mês de janeiro.
Que venha fevereiro, tão bom ou melhor ainda!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Mais uma vez atacada pelo vício... da leitura!

Pois é verdade.
No meio dos meus mil e um afazeres diários, no trabalho e em casa, de vez em quando sou atacada por esse vício. Há dias em que é menos frequente, mas há outros em que não consigo desligar da leitura e, portanto, todos os bocadinhos livres eu os ocupo a ler. Por vezes, tenho mesmo a consciência de que deveria estar a fazer outras coisas em vez de ler. Dou por mim, muitas vezes adiar a ida à casa de banho porque quero acabar mais um capítulo, e a seguir o outro, e por aí adiante.
Eu sei que é um vício saudável, e quem dera que ele atingisse mais pessoas...tenho plena consciência disso.
Atualmente ando na onda dos romances, ou não fosse eu uma pessoa romântica. O meu objetivo é mesmo afastar as más energias que sentimos no mundo real de hoje. É bom sair, é bom sonhar...
Esta sou eu, a sonhadora. Atualmente a ler Retrato de meu Coração, de Patrícia Cabot.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Um pouco de requinte... à mesa!

A correria do nosso dia-a-dia leva a que a maioria das pessoas nem se senta à mesa para tomar as refeições.
Toma o pequeno-almoço de pé, enquanto espreita as novidades no telemóvel ou no computador; almoça no escritório ou no balcão de um snack-bar enquanto faz e recebe telefonemas.
O jantar é, por vezes, a única refeição que toma em família, num ambiente mais calmo, embora nem sempre essa seja uma refeição tomada sem interrupções.
É este o cenário da maior parte das famílias de hoje em dia. Desmintam-me se eu não estiver a falar a verdade.
O certo é que faz falta um pouco de requinte, de calma, de paz na hora de tomar as refeições.
Se há coisas de que eu gosto, é de uma mesa bem bonita, com uma toalha bordada ou com rendas, com loiça branca, com talheres completos, com copos todos iguais e de preferência com pé, com guardanapos de pano, enfim, uma mesa com requinte.
Também gosto de ver a comida servida em travessas, bem enfeitadas.
Apesar de por vezes acontecer, eu não gosto de ver as panelas em cima da mesa.
Gosto de servir a fruta laminada, pronta a comer.
Gosto de algum requinte à mesa, apesar de não ser uma pessoa nada sofisticada.
Mas às vezes sabe tão bem!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicação em destaque

Aproveitar bem o tempo

Há várias formas de aproveitar o tempo.  Muitas pessoas queixam-se da falta de tempo, outras morrem de tédio, porque não sabem o que hão ...