terça-feira, 25 de abril de 2017

Em Dia da Liberdade, seja livre!

Num mundo tão acelerado em que vivemos, esquecemos muitas vezes que precisamos de momentos de desconexão, momentos de pausa e de descanso.
Esses momentos, tão importantes para nós, devem acontecer de livre vontade e não porque temos tempo livre. Eles devem acontecer sempre que necessitarmos de paz, se possível todos os dias. Nem que sejam apenas cinco ou dez minutos.
O que fazer nesses momentos de pausa? Eles devem ser aproveitados para refletir, para olhar para o nosso interior e ver que, afinal, somos pessoas maravilhosas. Facto, que por vezes esquecemos e entramos em depressão, em baixa auto-estima, etc.
Nesses momentos de reflexão, também podemos analisar o que é que no mundo lá fora nos afeta, nos faz mal. Serão pessoas?, serão objetos? serão certas rotinas? ou será, tão simplesmente, aquele espaço cheio de tralha, daquela tralha que não precisamos nunca mais e que cada vez vai ganhando mais volume?
Pois bem, seja o que for, devemos arregaçar as mangas e por mãos à obra. E começar a destralhar. Só o facto de eliminar algo que está simplesmente a ocupar espaço, já nos dá uma sensação de alívio, de leveza. Refiro-me a objetos, mas aplica-se a tudo na vida.
Deixo a dica, hoje em Dia da Liberdade.
Tome a liberdade de deitar fora o que lhe faz mal.

domingo, 23 de abril de 2017

Singularidades de uma mulher... como eu!

Há mulheres e mulheres. Assim como há homens e homens!
Hoje vou falar-vos de um tipo de mulher, como eu, com as suas singularidades.
Sou duma geração como tantas outras mulheres, no entanto, tenho consciência que ao longo dos anos (já tenho meio século) apenas aperfeiçoei algumas coisas em relação aos meus pais. Fiz algumas (muitas) alterações,  mas mantive-me fiel ao princípio que ainda hoje defendo e pratico, ou seja, a mulher transmite amor. Amor de mãe, amor de filha, amor romântico.
Que atualizações fiz em relação ao tempo dos meus pais, perguntam vocês?
Pois bem, no tempo dos meus pais, o homem é que mandava lá em casa, era quem geria o dinheiro (a mulher nem sabia contar o dinheiro, muitas vezes!). O homem trabalhava fora e a mulher ficava em casa a cuidar dos filhos (quase sempre muitos filhos!)
Hoje não é assim. Homem e mulher trabalham fora, e ambos cuidam das finanças da casa.
No meu caso, a maior parte da gestão da casa está por minha conta. Sou, portanto, a gestora do meu lar. E também sou governanta (com muito prazer!).
Não tenho empregada, por opção. 
Apesar de ter dias em que a organização da casa deixa muito a desejar, prezo muito a minha privacidade e gosto de ser eu a arrumar as minhas coisas.
Atualmente há mulheres que lutam pela igualdade de direitos e eu também não me excluo. É claro que defendo que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos. Só não concordo é que uma mulher deixe de fazer certas coisas e espere que seja o marido a fazê-lo só porque sim.
Felizmente fui habituada a fazer de tudo um pouco desde cedo. Tinha o sonho de casar para ter as minhas coisas, a minha família, e cuidar dela tão bem (ou ainda melhor) como os meus pais o fizeram. Desde cedo aprendi a fazer a comida, a lavar a roupa, a passar a ferro e agradeço aos meus pais pela educação que me deram. Nunca tive necessidade, muito menos vaidade, de ter empregada.
Casei e tive filhos (duas filhas). Apesar de muitas vezes chegar ao fim do dia exausta, tudo o que fazia era (e ainda é!) com amor.
As filhas cresceram, o trabalho continua. Algum é necessário e urgente, outro, nem por isso e eu continuo a fazê-lo. Ainda hoje, preparei o pequeno-almoço para a filha mais nova, que já conta com 18 anos. Se me custou? Absolutamente nada, pelo contrário. Fui eu que me ofereci para o fazer.
Sou uma mulher de hoje, mas com uma educação do passado, com bons princípios.
Espero que as minhas filhas tenham absorvido bem esses princípios.