quinta-feira, 29 de março de 2018

Destinos...


Viajar é um prazer.

Até há poucos anos atrás eu não conhecia esse prazer que é viajar e estava longe de imaginar que o vinha a conhecer com esta dimensão. Como eu acredito que nada acontece por acaso, também acredito que ainda não tinha chegado a minha hora de poder viver esses momentos.
Felizmente a vida tem-me proporcionado essa oportunidade e eu tenho-a aproveitado da melhor forma possível.
De norte a sul do nosso Portugal tenho descoberto vários cantinhos fantásticos.
Na nossa vizinha Espanha tenho passado bons momentos e conhecido locais belíssimos. Mas ainda há muito para descobrir...
França e Inglaterra eram daqueles países que não estavam nos meus horizontes de viagens... talvez França sim, Inglaterra nem por isso...
Mas uma vez mais, o destino quis que conhecesse também essas culturas, um pouco diferentes das nossas, mas que nos enchem de alegria e prazer.
Ainda assim, não são as grandes cidades que me fascinam. Pelo contrário. Gosto de cidades pequenas, sossegadas e verdes. Londres e Paris são cidades belíssimas, mas muito grandes para o meu gosto.
Alguém me dizia há uns anos "Viajar é viciante!" E, de facto, assim é. 
Conhecer e conviver com novos povos, novas paisagens, novos climas é fascinante.
Há muitos muitos anos, o meu destino de sonho era o Brasil. Não sei porquê, mas encantava-me a língua e o clima... Hoje já não penso da mesma maneira. Não me parece que o Brasil de hoje seja um destino assim tão apetecível...
Itália. Sim, Itália. Este será um destino possível. Roma me encanta. E não, não é só pela comida, nem pelo Papa. Claro que a presença do Papa influencia a minha preferência, mas não só.
Pelo ar, pela terra, pelo mar e mesmo por baixo do mar, já viajei e cheguei a destinos fantásticos.
Veremos o que a vida ainda tem para mim. E se tiver que continuar nesta descoberta, assim será.






Sem comentários:

Enviar um comentário

Publicação em destaque

Aproveitar bem o tempo

Há várias formas de aproveitar o tempo.  Muitas pessoas queixam-se da falta de tempo, outras morrem de tédio, porque não sabem o que hão ...