terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Em contagem decrescente...

A poucos dias do início de mais um desafio.

Neste momento, está em curso não só a preparação psicológica mas, sobretudo, logística.

São só mais uns dias....

2 comentários:

  1. Olá, Manuela!
    Estou curiosa. ;-
    Sei que não será o local indicado. Mas vou dizê-lo: tenho sempre uma palavra de apoio e ajuda para quem precisa. Depois de falarem comigo, ficam mais calmas e conseguem ter uma percepçao melhor dos seus problemas e soluçoes.
    Gostava de ter alguem que tivesse esse "poder" sobre mim. Estou muito triste.... sofro muito ansiedade, e não encontro motivação para a minha vida Consigo olhar-me de fora sei o que diria a alguem que estivesse a senntir-se assim. Mas pareço uma montanha russa, luto e chego lá a cima e de repente desço vertiginosamente. NÃO ENCONTRO MOTIVAÇÃO PARA MIM. E ninguém consegue chegar até mim e dizer- me algo que me faça avançar firmemente. Porque não me cruzo com alguém que faça por mim o que consigo fazer pelos outros? Não sou desistir, mas o sofrimento vai aumentando. Olho para os outros e não vejo qualquer sentido nas suas vidas. Nada faz sentido. Tudo parece um teatro... Se a Manuela ou alguém que me leia tiver uma palavra para mim, agradeço de coração.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Olá Novembro...
    Muito obrigada pelo seu comentário.
    Fiquei muito sensibilizada com a mensagem e percebi que está a sofrer muito.
    Gostava de a poder ajudar, mas não a conheço o suficiente para lhe dizer o que fazer ou o que não fazer.
    Mas há uma coisa que lhe posso garantir. Se fizermos depender dos outros a nossa felicidade nunca seremos felizes.
    A felicidade deve partir de nós, nunca dos outros.
    Também não devemos criar expectativas muito grandes em relação aos outros... Devemos sempre fazer algo por nós.
    O desafio de que falo no blogue é pessoal, não vai depender de ninguém, mas tenho a certeza que me vai fazer ainda mais feliz.
    Quando diz que ajuda os outros e acha que ninguém consegue fazer por si o que faz pelos outros, está a depender dos outros essa motivação.
    O conselho que eu dou nestes casos, é que ajam de forma diferente.
    Deixou-me intrigada quando diz que ao olhar para os outros não vê qualquer sentido nas suas vidas, que tudo parece um teatro. Acha mesmo isso? Ou não acredita na felicidade?
    Gostava muito de a conhecer pessoalmente, seria muito mais fácil compreendê-la.
    Um beijinho e bom domingo.

    ResponderEliminar