segunda-feira, 11 de junho de 2012

Em casa onde não há pão...

... todos ralham e ninguém tem razão.
É assim na maioria das famílias portuguesas, infelizmente cada vez mais.
Os pais, porque não conseguem dizer aos filhos que a vida está difícil, e continuam a satisfazer-lhes todos os caprichos, mesmo que, para isso, tenham de se endividar.
Os filhos, principalmente os mais novos, porque veem outros meninos e outras meninas, de famílias mais abastadas, com tudo aquilo que eles gostariam de ter e, sem entenderem a razão, choram, fazem birrinha e comportam-se mal.
Toda esta situação gera um ambiente muito mau entre pais e filhos. 
Conselhos importantes? 
  1. Não esconda dos seus filhos a realidade da vida, as dificuldades por que está a passar. Pode dizer-lhes também, com algum otimismo, que essa é apenas uma fase e que acredita que as coisas vão mudar e eles poderão ter uma vida melhor, se trabalharem para isso e, sobretudo, se pouparem.
  2. Ensine-os a poupar desde pequeninos.
  3. Ofereça-lhes um mealheiro para juntarem cada moedinha que lhes derem.
  4. Não se endivide por causa dos filhos, nem por razão nenhuma.
  5. Por fim, um grande conselho: Faça com que a família se una numa situação de crise financeira. Gritar não vai trazer dinheiro de volta.


2 comentários:

  1. É verdade, Manuela. Há que encarar os problemas de frente e explicar às crianças e jovens, tudo isso.

    Beijinhos e uma boa semana :)

    ResponderEliminar
  2. Manuela
    Aqui no Brasil às vezes passamos por esses mesmos problemas com nossos filhos. Além das suas oportunas sugestões, eu acrescentaria alguns comentários da educadora Monica Monasterio, da Espanha:"Os filhos precisam perceber que, durante a infância, estamos à frente de suas vidas, como líderes capazes de sujeitá-los quando não os podemos conter, e de guiá-los enquanto não sabem para onde vão. Se o autoritarismo suplanta, o permissível sufoca.
    Apenas uma atitude firme, respeitosa, lhes permitirá confiar em nossa idoneidade para governar suas vidas enquanto forem menores, porque vamos à frente liderando-os e não atrás, carregando-os, e rendidos à sua vontade.
    É assim que evitaremos que as novas gerações se afoguem no descontrole e tédio no qual está afundando uma sociedade que parece ir à deriva, sem parâmetros nem destino. Os limites abrigam o indivíduo. Com amor ilimitado e profundo respeito."
    Parabéns por sua iniciativa e pelas oportunas observações.
    Sidney Fernandes - Brasil - 1948@uol.com.br

    ResponderEliminar

Publicação em destaque

Aproveitar bem o tempo

Há várias formas de aproveitar o tempo.  Muitas pessoas queixam-se da falta de tempo, outras morrem de tédio, porque não sabem o que hão ...