domingo, 22 de maio de 2016

Primavera envergonhada

Há muitos anos que não me lembrava de um primavera tão envergonhada! Ora aparece, ora se esconde, ora se disfarça de inverno. Não acham que já era tempo dela aparecer de vez?

Este modo intermitente não nos permite fazer grandes planos para passeios, nem idas à praia. Falo por mim, que só gosto de sair de casa com bom tempo.
Andar na rua a passear com o chapéu aberto ou com o vento a bater na cara, não me agrada mesmo nada. Por isso, as minhas saídas têm sido em modo intermitente.

Ainda assim, tenho conseguido aproveitar os dias em que a primavera está em modo "on".





Digam lá que não é bonito este céu, esta paisagem, este mar?

1 comentário:

  1. Bom dia!
    Manuela, partilho da sua opinião.
    A natureza dá-me a paz que procuro. Sinto que faço parte dela e da sua harmonia, respiro fundo e sinto a felicidade.
    A cidade deixa-me doente. A poluição, o ritmo, prédios e mais prédios...
    Sempre vivi na cidade, e vibrava com o seu ritmo. Mas tenho a consciência que com o passar dos anos ela me destruio.
    Não posso fugir dela. Mas sempre que posso, corro para perto do mar, é aí que fico bem. Mas tem de ser cedinho, só eu e ele (o mar).
    Manuela, depois de uma vida sempre muito sofrida, o ano passado perdi a minha querida mãe. Foi e continua a ser muito difícil.
    Obrigada, pelas suas palavras. Beijinho grande.

    ResponderEliminar